Desemprego é de 20,6% para trabalhador sem ensino médio

 
Desemprego é de 20,6% para trabalhador sem ensino médio
O desemprego entre os trabalhadores sem o ensino médio subiu para 20,6% no segundo trimestre de 2016, ante 13,8% em igual período de 2015, segundo o IBGE.

De acordo com a Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada ontem, houve avanço do desemprego para quem possui diploma universitário (de 4,1% para 6%), ensino médio completo (de 9,9% para 12,8%), fundamental completo (de 9% para 12,9%) e fundamental incompleto (de 7,3% para 10%).

Também foi registrada alta para os trabalhadores considerados sem instrução (de 6,1% para 8,8%). Em outro grupo, o de ensino superior incompleto, foi notada alta de 9,7% no ano passado para o atual patamar de 13,2%.

De acordo com especialista do IBGE, o desemprego cresceu de maneira proporcional em todos os níveis de instrução, chegando a patamares mais elevados nas classes em que as taxas historicamente são mais altas.

"Desde o começo da PNAD, os números são piores para quem tem ensino médio incompleto e melhores para quem tem ensino superior completo", diz Cimar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do instituto.

Segundo ele, estudantes com idade entre 16 e 19 anos compõem o grupo em situação mais complicada. "Muitos deles estão atrasados no segundo grau e encontram maior dificuldade por isso", completa. Outro problema é que mesmo empregos mais simples costumam exigir ensino médio completo.

Matéria publicada por Consultas Contábeis, em parceria com a Gráfica Muito Mais Barata e o portal International Sites Brasil. Colunistas: Flávio Del Puente (Vendas e Marketing), Clara Cont (Contabilidade e Finanças) e Mauro Marques (Gestão e Empreendedorismo).

Comentários

Matérias mais visitadas deste site

Com bitcoin e mais risco na carteira, IR requer atenção

Empresário cria máquina que recolhe e recoloca moedas em circulação

Cliente de classe média e alta é maioria em atacarejos, conhecidos por preço baixo

Trabalhador pode consultar extrato INSS no site da Previdência

Balança comercial tem superávit recorde de US$ 6,969 bilhões em abril