Estudiosos da área de contratos levam o Nobel da Economia

Estudiosos da área de contratos levam o Nobel da Economia


Contratos bem feitos diminuem custos, reduzem riscos, aumentam lucros e contribuem para um melhor funcionamento da economia.


Nada disso, que hoje pode soar como obviedade, era muito claro quando o finlandês Bengt Holmström, 67, e o britânico Oliver Hart, 68, começaram a pesquisar o tema nas décadas de 1970 e 1980.


Por mostrar os problemas provocados por falhas contratuais e indicar diversas formas de resolvê-las —como a adoção de incentivos apropriados—, os dois acadêmicos receberam nesta segunda-feira (10) o Prêmio Nobel de Economia de 2016.


Ao anunciar a premiação, a Academia Real Sueca de Ciências, em Estocolmo, destacou que "economias modernas são ligadas por inúmeros contratos" e que os trabalhos de Hart e Holmström "criaram uma base intelectual para o desenho de políticas e instituições em muitas áreas, da legislação de falência a constituições políticas".


A pesquisa do britânico Hart é focada no papel que a estrutura acionária e os arranjos contratuais têm sobre a governança das empresas. Ele é reconhecido por mostrar, com estudos feitos na década de 80, que falhas contratuais ocorrem em situações em que não é possível registrar e prever todas as informações possíveis no papel.


"Hart mostrou que, na vida real, os contratos são incompletos e que isso vai gerar disputas", disse o acadêmico Sérgio Lazzarini, do Insper.


Essa linha de pesquisa mostrou a importância de se ter, portanto, especificado qual das partes envolvidas teria o direito de tomar decisões em circunstâncias não antecipadas originalmente. Os estudos do pesquisador britânico contribuíram para discussões de temas variados, como que tipos de empresas devem se fundir e a conveniência de se ter escolas e prisões controladas pelo capital privado.
Hart escreveu na conta do Twitter do Prêmio Nobel que acordou às 4h40 da manhã e "ficou se perguntando se estaria ficando muito tarde para ser neste ano, mas então o telefone, felizmente, tocou". Já o finlandês Holmström teria dito a jornalistas que "certamente não esperava isso, pelo menos não desta vez, por isso fiquei muito surpreso e muito feliz". Ele fez estudos considerados importantes, no fim da década de 1970, sobre incentivos que movem os agentes no mundo corporativo. Ele demonstrou que os acionistas de uma empresa não conseguem acompanhar todas as ações de seus executivos. Com base em sua pesquisa, ficou clara a importância do estabelecimento, por exemplo, de mecanismos de remuneração vinculados ao desempenho dos funcionários. A Academia Real Sueca de Ciências destacou que "os novos mecanismos teóricos criados por Hart e Holmström são valiosos para o entendimento de contratos e instituições da vida real". Economistas famosos como Paul Krugman (Universidade Princeton) e Justin Wolfers (Universidade de Michigan) reagiram ao anúncio do Nobel destacando que já era hora de Hart e Holmström serem laureados. "Hart e Holmström tão obviamente mereciam que meu primeiro pensamento foi 'eles já não tinham (sido premiados])?", escreveu Krugman, vencedor do Nobel de Economia em 2008, no Twitter. Os dois premiados dividirão o prêmio de 8 milhões de coroas suecas (quase R$ 3 milhões).


Em 2015 o escocês Angus Deaton, 69, recebeu o prêmio por seus estudos sobre consumo, pobreza e bem-estar social. Deaton foi premiado por três pesquisas relacionadas, conduzidas ao longo de sua carreira acadêmica. A primeira, feita nos anos 1980, criou um modelo para estimar a demanda por diferentes tipos de bens, dada a renda dos consumidores. Com ele, é possível, por exemplo, medir os efeitos de uma elevação ou redução de impostos sobre o consumo pessoal e, então, determinar os grupos sociais mais afetados pela medida.

Matéria publicada por Consultas Contábeis, em parceria com a Gráfica Muito Mais Barata e o Portal International Sites (www.internationalsites.com.br). Colunistas: Flávio Del Puente (Vendas e Marketing), Clara Cont (Contabilidade e Finanças) e Mauro Marques (Gestão e Empreendedorismo).

Comentários

Matérias mais visitadas deste site

Com bitcoin e mais risco na carteira, IR requer atenção

Empresário cria máquina que recolhe e recoloca moedas em circulação

Cliente de classe média e alta é maioria em atacarejos, conhecidos por preço baixo

Trabalhador pode consultar extrato INSS no site da Previdência

Balança comercial tem superávit recorde de US$ 6,969 bilhões em abril