Inflação em quatro meses fica abaixo de 1%

Inflação em quatro meses fica abaixo de 1%

Com o resultado de abril, a inflação no Brasil também ficou igual à dos Estados Unidos

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,22% em abril, ante um avanço de 0,09% em março, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  A taxa acumulada pela inflação no ano foi de 0,92%, menor variação acumulada até abril desde a implantação do Plano Real.

Com o resultado de abril, a inflação no Brasil também ficou igual à dos Estados Unidos. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) americano, divulgado nesta quinta-feira, subiu 0,2% no mês ante março. 

Mercado de crédito brasileiro cresce menos em julho, diz BC
IPCA foi pressionado pelo aumento dos preços de produtos farmacêuticos e planos de saúde. O dado veio no piso do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast. Pelo levantamento, os economistas projetavam uma alta de 0,22% até 0,34%, com mediana de 0,28%. Em 12 meses, o IPCA acumulou avanço de 2,76%, abaixo da mediana, de 2,82%, com base num intervalo de 2,76% a 2,89%.

Segundo o gerente do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), Fernando Gonçalves, a aceleração do índice se deve principalmente ao grupo Saúde e Cuidados Pessoais, que, com aumento de 0,91%, comprometeu metade da taxa de abril.

“Dos 0,22% de abril, 0,11 ponto percentual veio do grupo Saúde e Cuidados Pessoais. Dois itens desse grupo, de preços administrados, se destacaram: os planos de saúde, com um aumento de 1,06%, e os remédios, cujos preços subiram, em média, 1,52%”, explicou Fernando.

Juros. Esse cenário de inflação tranquila e - com pressões limitadas devido à forte ociosidade - ainda permite, na visão dos economistas, mais um corte de juros no Comitê de Política Monetária (Copom) da próxima semana, de 6,5% para 6,25%, apesar da escalada do dólar.

"Além de impedir que o recente enfraquecimento do câmbio alimente pressões inflacionárias, a lenta recuperação econômica deve permitir que a autoridade monetária brasileira comece a normalizar a postura da política monetária mais tarde do que antecipou", avaliou o Haitong, que espera que a Selic atinja 6,25% este mês e fique inalterada até pelo menos o fim de 2018.


Matéria publicada por Consultas Contábeis, em parceria com a Gráfica Muito Mais Barata  (graficamuitomaisbarata.blogspot.com.br)  e o Portal International Sites (www.internationalsites.com.br). Editores: Flávio Del Puente (Vendas e Marketing), Clara Cont (Contabilidade e Finanças) e Mauro Marques (Gestão e Empreendedorismo).

Comentários

Matérias mais visitadas deste site

Com bitcoin e mais risco na carteira, IR requer atenção

Empresário cria máquina que recolhe e recoloca moedas em circulação

Cliente de classe média e alta é maioria em atacarejos, conhecidos por preço baixo

Trabalhador pode consultar extrato INSS no site da Previdência

Balança comercial tem superávit recorde de US$ 6,969 bilhões em abril